Indígena passa urucum em participantes de evento em protesto contra Ferrogrão

Brasil Destaques

Seminário do Ministério do Transporte falava sobre os aspectos socioambientais da ferrovia que se estenderá do estado do Mato Grosso ao Pará

Uma liderança indígena do povo Kumaruara, do Baixo Tapajós, no Pará, esfregou urucum, uma fruta nativa da Amazônia, no rosto de participantes do seminário que está tratando sobre a viabilidade dos aspectos socioambientais da ferrovia Ferrogrão, obra da qual eles são contra.

Vídeos compartilhados nas redes sociais mostram o momento em que o líder espiritual da aldeia Muruary, identificado como Arnaldo Filho Kumaruara, interrompe o evento que acontecia na Universidade do Oeste do Pará, na tarde de terça-feira (7), sobre a construção que se estenderá do estado do Mato Grosso ao Pará, e tinge o rosto dos representantes do projeto.

“Os impactos desse empreendimento afetarão diretamente não apenas as aldeias indígenas que residem na região, como os povos Munduruku e Kayapó Paranã, mas também acarretarão danos significativos à fauna e flora local”, afirmou João Jumaruara, também membro da aldeia Muruary ao compartilhar o vídeo no Instagram.

“Manifestamo-nos contra esse plano que ameaça o Rio Tapajós, onde diversas aldeias, incluindo a minha, estão situadas. Como povos originários da floresta, defendemos incansavelmente nosso território, pois sem ele não há vida nem preservação da nossa cultura”, completou.

Em nota, o Ministério dos Transportes, responsável pelo seminário, disse que o evento contou com a participação de comunidades e entidades envolvidas no projeto da ferrovia. “Todos tiveram direito a fala, exposições individuais e de se manifestar, como comprova o vídeo amplamente divulgado nas redes sociais”, afirmou a pasta.

Em março deste ano, o cacique Raoni pediu ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que não aprove o projeto de construção da Ferrogrão. O apelo ocorreu durante discurso do líder indígena em Belém, ao receber a maior honraria francesa das mãos do presidente da França, Emmanuel Macron.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *